novembro 23, 2005

Comunicado urgente, recebido por e-mail!

"A todos vós meus irmãos, comunico que, devido ao surto epidémico que está a assolar o mundo, este ano na quadra natalícia não vai haver missa do Galo.
Deus vos abençoe.

Bento XVI"

novembro 21, 2005

Amén...




Um ateu estava passeando em um bosque, admirando tudo o que aquele "acidente da evolução" havia criado.

"Mas que árvores majestosas! Que poderosos rios! Que belos animais!", lá ia ele dizendo consigo próprio.

À medida que caminhava, ao longo do rio, ouvia um ruído nos arbustos atrás de si.

Ele virou-se para olhar.

Foi então que viu um corpulento urso-pardo caminhando na sua direção. Ele disparou a correr o mais rápido que podia.

Olhou, por cima do ombro, e reparou que o urso estava demasiado próximo.

E aumentou mais a velocidade. Era tanto o seu medo que lágrimas lhe vieram aos olhos.

Olhou, de novo, por cima do ombro, e, desta vez, o urso estava mais perto ainda. O seu coração batia freneticamente.

Tentou imprimir maior velocidade.Foi, então, que tropeçou e caiu desamparado.

Rolou no chão rapidamente e tentou levantar-se. Só que o urso já estava em cima dele, procurando pegá-lo com a sua forte pata esquerda e, com a outra pata, tentando agredi-lo ferozmente.

Nesse preciso momento, o ateu clamou:

"Oh meu Deus!".

O tempo parou. O Urso ficou sem reação. O bosque mergulhou em silêncio. Até o rio parou de correr.

À medida que uma luz clara brilhava, uma voz vinda do céu dizia:

"Tu negaste a minha existência durante todos estes anos, ensinaste a outros que eu não existia, e reduziste a criação a um acidente cósmico. Esperas que eu te ajude a sair desse apuro? Devo eu esperar que tenhas fé em mim?"

O ateu olhou diretamente para a luz e disse:

"Seria hipócrita da minha parte pedir que, de repente, me passes a tratar como um cristão, mas, talvez, possas tornar o urso um cristão?!"

"Muito bem", disse a voz.

A luz foi embora. O rio voltou a correr. E os sons da floresta voltaram. E, então, o urso recolheu as patas, fez uma pausa, abaixou a cabeça e falou:

"Senhor, abençoe este alimento que agora vou comer. Amém".

novembro 18, 2005

novembro 17, 2005

SaudadesDeCasablanca

novembro 16, 2005

Salvo melhor opinião isto são amores infelizes.



Salvo melhor opinião isto são amores infelizes.

definitivamente um amor infeliz!


"These violent delights have violent ends . . ."

novembro 11, 2005














Como se houvesse um incêndio de giestas para atravessar, eu não dormia.

Eugénio de Andrade, Limiar dos Pássaros

novembro 05, 2005

A empresa da Cidade

“Na República Portuguesa também há um Conselho de Administração, que é o Governo, e uma Assembleia Geral, onde estão os representantes dos 10 milhões de "accionistas". Deve haver um órgão executivo e um órgão parlamentar.” – Rui Rio, em entrevista recente ao JN.


A polémica da recente (e pelos vistos última...) entrevista de Rui Rio ao JN foi quase exclusivamente reconduzida para a questão da hipotética (in)admissibilidade de construção no perímetro do Parque da Cidade.

Sucede que, no marginal comentário que acima se reproduz, está o retrato de toda uma política – pior, de toda uma concepção da Política.

Ela vem rapidamente ao de cima com o poder absoluto. Habituem-se, e lamentem-se daqui a quatro anos...

Entretanto, convém não descurar a “Assembleia Geral” de Janeiro próximo: temos “Administrador” do mesmo género como candidato ao próximo exercício!

novembro 04, 2005

Nós merecemos!

Os The Gift ganharam o prémio para melhor banda portuguesa.

A vocalista chegou ao palco e disse: "Nós merecemos!".

Boa!

É bom ouvir alguém dizer "eu mereço"... É refrescante!

novembro 01, 2005

Sons da noite postos por escrito...


A noite tem bordado
Nas toalhas dos bares
Corações arpoados
Corações torturados

Corações de ressaca
Corações desabrigados demais

A noite tem falado
Nas cadeiras dos bares
De paixões afogadas
De paixões recusadas
De paixões descabidas
De paixões envelhecidas demais

A noite traz no rosto sinais
De quem tem chorado demais

A noite tem deixado
Seus rancores gravados
A faca e canivete
A lápis e gilette
Por dentro das pessoas
Por dentro dos toilettes e mais

Por dentro de mim

Ivan Lins/Vitor Martins